sábado, janeiro 12, 2008

"Água-Vivas" no Sul da Bahia

As “agua vivas” ou “caravelas” provocaram um número recorde de acidentes no litoral brasileiro nesse final de ano. Elas parecem uma geleia e tem 95% do organismo composto de água. É uma espécie do grupo Filo Cnidária, parentes dos corais e anêmonas e um dos habitantes mais antigos do planeta. Já foram descobertas mais de nove mil espécies, que medem de poucos centímetros até mais de 2 metros de diâmetro e podem tentáculos chegam a 30 metros de comprimento.

Seu aparecimento é um fenômeno sazonal. O v
erão é seu tempo de reprodução e por isso elas aparecem mais nas praias. Como um mecanismo de defesa, elas atacam quem pisar ou tocar nelas. Nos seus tentáculos ficam os minúsculos arpões venenosos, que provocam as queimaduras.

As medusas tem criado problemas mais sérios nas praias espanholas e na Austrália com frequência, onde espécies mais evoluídas têm matado banhistas. Nossas espécies são menos perigosas mas podem causar queimaduras graves. Nas praias do Balneário de Praia Grande no Estado de São Paulo, entre os dia 27.11 e 2.12, o pronto socorro local efetuou 304 atendimentos.

Cuidados e Primeiros Socorros

A água viva só queima quando se sente atacada, isto é, se você pisar ou encostar nela. Fique atento na área de banho e na areia. Segundo Luiz Alonso Ferreira, biólogo marinho do Museu do Mar da Universidade Federal de Santa Catarina, se a queimadura acontecer:

Nunca lave o local com água doce, pois isso ativa as substâncias venenosas. Use água do mar ou soro fisiológico. Aplicar compressas de vinagre ajuda a reduzir a dor. Depois, com pele ainda molhada, jogue um pouco de areia seca, talco, creme de barbear ou farinha de trigo. Deixe por alguns minutos. Retire devagar a camada sobre a queimadura e procure orientação médica. Também pode-se aplicar compressas geladas ou/ e cremes corticóides sobre a queimadura.

Mais informação:

Urtiga -Dicas Verdes

Pesca e Dicas

2 comentários:

Anônimo disse...

Realmente, precisamos ficar de olho ao cair na água quando chegam as água-vivas, olhar se tem alguma flutuando por perto, vindo nas ondas e ficar de olho na areia. Felizmente aqui em Ilhéus e no Sul da Bahia elas não têm causado tantos problemas como já causou em outros lugares esse ano.

Roberto Bastos Oliveira disse...

Caros amigos, já fui vítima juntamente com meus filhos dos fios de caravelas e realmente é muito dolorido a queimadura, porém na hora apareceu na praia uma senhora com uma boa alma e me orientou a usar minha própria urina ou de terceiros sobre os locais afetados no corpo de meus filhos e no meu. O resultado é imediato e não deixa nem marcas. Para de arder na mesma hora. Não precisa esfregar, só deixar o líquido escorrer na pele afetada. Esta orientação serve também no caso de cansanção, urtiga, potó, lagartas de fogo, etc., e queimaduras por ação química de animais e vegetais.
Pode nos parecer nojento de antemão, mas, é a salvação.
ROBERTO BASTOS OLIVEIRA.