quarta-feira, setembro 28, 2011

Antônio Ferreira da Annunciação: O Mago da Percussão

Por Paulo Paiva - Acesse os LINKS em marron para ver e ouvir mais. Clique aqui no lado direito do mouse e abra o link em nova janela, para ler ouvindo "Asa Branca", com Hermeto e Annuciação arrasando !

Um dia desses, avistei outro Gurú daqui de Itabuna (baterista Sabará), e comentei - Annunciação tá em Salvador, né? "Annunciação já morreu, só falta eu, respondeu"! Fiquei surpreso, pois sempre tenho tido notícias contrárias. Quis confirmar na internet, e nada, mas haviam pistas nos créditos da super banda "Letieres Leite e Orkestra Rumpilezz", que compôs a música “Anunciação"dedicada ao grande mestre da bateria e percussão Antonio Ferreira da Anunciação, um dos pioneiros no encontro da musica da Bahia com o Jazz". Nota à parte, o disco foi considerado o melhor do 21 Prêmio da Música Brasileira 2010.


Como as homenagens nesse país, costumam ser póstumas, tendi a acreditar. Escrevi primeiro no blog: Pode um pioneiro da música desaparecer, sem o devido reconhecimento de sua obra? Depois fui investigar. Liguei para o cantor Val Macambira, e perguntei se ele sabia que o homem tinha morrido ? Rapaz, soube disso não! Acho que não! E logo desfiz o mal entendido. Annunciação está vivo, e tocando! Vários internautas confirmaram meu engano. Corrigi logo a matéria. Depois de tê-lo matado virtualmente com essa reportagem, me me senti aliviado..


Mas quem é Annunciação, com dois “n"?


Annunciação é um grande percussionista que morou em Ilhéus durante a década de 80, por dificuldades de sobrevivência, depois de uma trajetória da maior importância para a música brasileira. E se não encontramos muitas resenhas na net sobre a sua obra, vamos fazer uma. Um mestre, antes de mais nada. Mestre do berimbal, dos caxixis, do bongô... Talento nato que, uma bailarina russa viu improvisando batuques numa lata, durante sua turnê por Salvador, e resolveu carregá-lo para São Paulo, ainda muito jovem.
Em São Paulo, tornou-se músico permanente do Jean Sebastian Bar, onde circulava músicos de uma das melhores safras de artistas; figuras como Sergio Mendes, Airton Moreira, Flora Purin, Nana Vasconcelos e Hermeto Pascoal. * Preciso conferir a informação sobre o nome desse bar, já que não encontrei referências na internet.Dos bares para as luzes do teatro, estreou em “Arena Conta Zumbi”, peça de Augusto Boal, marco do Teatro de Arena, estrelado por Gianfrancesco Guarnieri, Lima Duarte, Marília Medalha, David José, Anthero de Oliveira, Vanya Sant'Anna e Dina Sfat -Prêmio Atriz Revelação do Governo de São Paulo -1965. E Annunciação, junto com Nenê eram elenco/personagem tocando ao vivo.

Atuou também em outra peça importantíssima, “Arena Conta Bolivar”, proibida pela censura militar em 1971, também de Augusto Boal, com músicas de Théo de Barros, tendo Lima Duarte, Renato Consorte, Cecília Thumim, Isabel Ribeiro, Zezé Motta, Hélio Ari, Benê Silva e Fernando Peixoto no elenco. Annunciação e Nenê tocavam bateria, ao lado de Théo Barros no violão.Com os dois clássicos, Annunciação participou de uma das maiores excursões internacionais do teatro brasileiro. Estreando sempre em São Paulo, e seguindo para temporadas no Rio de Janeiro, as duas peças-musicais foram apresentadas em Buenos Aires, Montividéu, Cidade do México, Lima e Nova York, essa última, em 18 de agosto de 1969, no Saint Clement's Theatre. Foram diversas montagens durante a ditadura militar, e remontagens que acontecem até hoje em nosso teatro contemporâneo.

A Música universal de alma negra !


As grandes participações não pararam. Do balé para os bares, dos bares para o teatro, e do teatro para o cinema. O inusitado percussionista é colhido por outros gênios de sua época, como Glauber Rocha e Hemerto Pascoal. Com Glauber, toca percussão em filmes como “A Idade da Terra” - “The age of the Earth” (veja nos créditos), e com Hermeto participa de um disco considerado um dos marcos da música brasileira: "A Música Livre de Hermeto Pascoal"Gravando com Hermeto, mudou o paradigma da percussão brasileira, elevou o status do percussionista, agora solista, e em primeiro plano. Tornou-se o primeiro a gravar em oito canais de áudio dedicados exclusivos a percussão. Nesse disco memorável, tocou bateria e percussão nos clássicos "Carinhoso" e "Asa Branca, fez solos de caxixis, berimbal (ouça seu magnífico solo com canto), e até de bacia de lavar roupa.

Annunciação adora contar passagens memoráveis, como a confusão que Hermeto armou nos estúdios da TV Globo, quando insistia em fazer seus porcos cantores (suínos) entrarem no estúdio - "Tudo veio abaixo e Hermeto gostou do som da escada caindo", brincava. O certo é, que para falar desse artista negro, que nasceu, viajou e vive hoje em Salvador, é resgatar memórias e valores da música. A música de um improvisador, sua percussão discreta e melódica, sua segurança nos compassos e andamentos mais tortuosos, e um músico que fez,e faz da musicalidade baiana, uma música livre.

Sua passagem por Ilhéus...



                                      Foto de outro grande artista: Mário Queiroz, Olivença, 1984.


Depois dessa grande fase, Annunciação voltou para Salvador, e foi trazido para Ilhéus pelo músico Saul Barbosa, com quem tocou e gravou durante vários anos. Tocou também com todos os outros músicos da região, inclusive no Trio Elétrico. Num dos carnavas, um pedestal da bateria bateu num fio elétrico na altura da Catedral - "Só ouvi o estrondo e me joguei dentro do bumbo", contava ele às gargalhadas. Um incidente que lhe deixara uma marca de queimadura no olho esquerdo. Em Ilhéus, sempre mestre amigo dos interessados por boa música, homem de sorriso largo, exibia sempre sua linguagem corporal, principalmente das mãos. Um bom contador de suas próprias histórias, sempre recheadas de metáforas sobre a universalidade, a Bahia e os valores da negritude.

No quartinho em Ilhéus, o baú cheio de bugigangas abençoadas, preciosos papeis se rasgando de suas composições, velhas e novas partituras, e mensagens espirituais, além de fotos de mulheres nuas nas paredes. Ele tinha um ciúme doido daquelas coisas estragando com a umidade, e eu querendo conservar, mas ele sempre brincou - deixa minhas coisas, você quer é ficar bilionário depois que eu morrer. Será? Espero que esse breve relato sobre o vivíssimo Antônio Ferreira da Annunciação com dois “n”, como ele frisa, sirva para valorizar mais a história de nossa música e músicos, e de referência para novos músicos, e o interesse geral pela música..

Graças a Deus, não encontrei a palavra morreu, e ele não morreu mesmo. É melhor assim, meu amigo Sabará, duvidar morte, e ficar com os astros, o batuque dos Orixás, fluindo...

6 comentários:

Gaída disse...

...percutindo¨}¨Valeu! PPP///darling

Anônimo disse...

Sabará é uma dessaas peças raras. Tive o prazer de ter tido a possibilidade de conversar com ele mesmo que por um breve mas precioso momento em uma carona dada de ilhéus a itabuna. Coisas da vida. Grande músico.

Neill Rocha

Anônimo disse...

Estive ontem (17/12/2011) no festival de musica intrumental de salvador e o grande mestre Annuciação estava lá muito vivo tocando no grupo triat'uan, e foi maravilhoso...

Aqui vai um video desse ano que o mesmo aparece.

http://www.youtube.com/watch?v=u5ZMQLYAtqw

juliana russo disse...

Oi Paulo,
vc deve ter visto esse link com algumas fotos dele no último domingo.
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.430370910309127.107491.100000086649268&type=1

Anônimo disse...

Grande Anunciação! Parabéns pela iniciativa, pessoal! Edbrass Brasil!

antonio carlos santos oliveira disse...

Fui colega dele no Instituto Baiano de Ensino Em 1951 52 ...
Um professor de Inglês (Norte Americano), Escrevia uma frase para traduzirmos para o Português, e a tradução era "Os Negros são mais ou menos preguiçosos". Anunciação me disse que iria dar uma pedrada no cara. Não sei se cumpriu a promessa.