domingo, julho 12, 2015

Florianael Portela: Ilhéus lhe deve desculpas


A foto foi montada para documentar o desejo de contar sua incrível história de vida. 
   Como jornalista, desde que a conheci sabia que sua história não poderia passar anônima. Ela viveu a fama e o esquecimento, a glória e a humilhação na mesma cidade que nasceu, amou e morreu como uma religiosa fiel a Deus. Ela tem uma história linda, e Ilhéus precisa corrigir um de seus maiores exemplos de ingratidão em sua história recente. é uma questão moral. 
  Florianael Portela de Almeida (1947 - 1999) não gostava de lembrar das glórias, e era por insistência de jornalista que abria o seu baú.  Flori foi Misse Ilhéus e Misse Bahia 1966, e aclamada como uma  das fortes candidatas a Misse Brasil. Foi capa da Revista Manchete em tempos onde o concurso era mais importante que a novela da oito. 
   Não topou ser a bonitinha na terra dos coronéis do cacau. Tornou-se artista e viveu reclusa ao seu jeito, longe do glamour. Foi presa por fumar maconha, e morreu ainda jovem vítima de câncer. Nesse baú de Flor existe um acervo extraordinário de fotografias que exibe a beleza da ex-misse nos mais diversos tempos e estilos. Eu vi um livro de moda, e vi um livro sobre beleza e uma história que precisa contada. Esse acervo hoje está aos cuidados do professor Eusiner Teles, e merece  ser pesquisado pelos universitários,  e transformado em livro.
  Passaram a borracha. Hoje não temos uma biografia escrita. Ao clicar no melhor pesquisador na internet encontramos duas fotos, uma dos tempos áureos na capa da Revista Manchete e uma foto recente de uma irmã, e a informação de seu nome, e datas de nascimento e morte. Nenhuma biografia, reportagem, resenha, pesquisa ou livro, senão algumas peças e comentários de saudosistas dos tempos dos concursos de beleza nacional, e internacional.  
   Seu nome precisa ser resgatado, e seu baú tem uma riqueza patrimonial não só para Ilhéus, mas para a historia da beleza da mulher brasileira. Esse é o espaço de tributo e homenagem a estimada amiga  Flor, e um espaço de cobrança explícita para seja resgatada sua história. Também, Acorda clama para que o seu acervo seja publicado, conhecido, estudado. 


                                    













3 comentários:

musicadocéu disse...

Obrigada. Minha irmã foi, acima de tudo, uma pessoa simples e humilde. Fez muito serviço voluntario. Amou a tudo o que tinha a seu redor e a todos aqueles que estavam proximos a ela. Foi muito explorada e mal interpretada em alguns momentos. Obrigada a voce qud lembra dela. Sulamita portela

de olho em tudo disse...

Minha tia, linda, exótica, a frente de seu tempo e optou viver longe do glamour pq escolheu não viver de aparências e o fato de querer ser autêntica deixou margens para muitos questionamentos sórdidos.
Vale a pena ser lembrada essa ícone da beleza brasileira que nasceu em Ilhéus.

Alex Sa disse...

Ótima reportagem, pesquisando sobre a mesma para mostrar a minha mãe que a achava linda. Que esteja ao lado do Pai!