sexta-feira, novembro 02, 2012

Goethea: Homenagem a Goethe que vem de Ilhéus.


Tem coisas grandes que passam despercebidas, e que são esquecidas. Uma planta coletada no século XVIII em Ilhéus tem uma representação universal e uma contextualização na história do mundo que me deixou estrigado ,curioso e surpreso. Quem em Ilhéus já ouvira falar de uma planta chamada Goethea? Pois nem eu,mas essa história vai mudar!

Essa planta tipo malva tem uma história incrível que nos liga a um tempo histórico quando Ilhéus recebe a visita de alguns dosgrandes cientistas viajantes do século XVIII. A planta teria sido coletada em Ilhéus no século XIX pelo príncipe alemão Alexander Philipp Maximilian zu Wied-Neuwied, e fora descrita pelo famoso botânico Christian Daniel Gottfried Nees von Esembeck, primeiro diretor do Jardim Botânico de Bonn. Segundo ele próprio: "a única planta que tem o nome do famoso famoso escritor Joannh Wolfgang von Goethe", e seria um novo gênero de planta confirmado por Carl Friedrich Philipp von Martius na grande obra Flora Brasiliense. 

Não podia imaginar tal coisa, até que li um documento que trazia a tona um momento ilustre relacionado a planta. O jornal narra um fato acontecido em 1932, durante as comemorações do centenário de Goethe. Por iniciativa do eminente professor Roquete Pinto, o Museu Nacinal do Rio de Janeiro, e a Acadêmia Brasileira de Letras plantaram uma Goethea no jardim do Petit Trianon no Rio de Janeiro. Antes do plantio, o ilustre botânico Alberto R. Sampaio do Museu Nacional fez um célebre discurso que trouxe lembranças sobre essa malvaceae que carrega o nome de Ilhéus pelo mundo afora.

Goethea foi o nome usado por Nees e Martius para descrever um novo gênero florístico tipicamente brasileiro, com três ou quatro espécies descritas nos estados do Espírito Santo e Rio de Janeiro. A Goethea de Ilhéus, no entanto, a Goethea cauliflora (um tipo de malva) foi a primeira a ser descoberta, e quem fêz a primeira descriçãoda espécie foi o príncipe alemão Maximilian Wied von Neuwied, pesquisador e naturalista.

No entanto, entender quem essa Goethea não é tão simples quanto parece. Descrita por vários cientistas, a planta foi reclassificada várias, e existem uma série de interrogações sobre a sua descrição científica. O fato é que a Goethea cauliflora, ou Pavonia strictiflora é uma planta que se tornou famosa na Europa, e até hoje é cultivada e destacada nos Jardins Botânicos, sendo por nós desconhecida, e nunca cultivada.

Goethea é mais um capítulo da história de Ilhéus, que guarda memórias desde o início dos tempos do Brasil, que se relacionam a sua riqueza natural, e outros prodígios dessa região. Estamos no rasto da Goethea, e traremos mais aqui. A espécie Goethea cauliflora é peculiar a Ilhéus, apesar de não a conhecermos.

Outro livro, mais recente, o "Goethes Reise nach Brasilen" conta mais dessa história. Em vários documentos vemos Goethea cauliflora, Nees, como a espécie típica, endêmica às florestas de Ilhéus, e que serviu de base para a descrição de um novo gênero Goethea. Um história extrordinária que o Rio de Janeiro já tirou proveito, criando uma Reserva Biológica chamada Goethea, mas Ilhéus, a grande protagonista dessa história aindanão tirou nenhum proveito ainda, nem tem uma Goethea plantada em seus jardins.


Johann Wolfgang von Goethe Frankfurt am Main (1749- 1832) foi uma das mais importantes figuras da literatura alemã, e do romantismo europeu, e era um apaixonado pelo Brasil (Veja aqui). E sempre por perto, dá nome ao Goethe Institut, que continua a promover o intercâmbio Ilhéus-Alemanha, tem sede em Salvador, e recentemente realizou uma série de eventos sobre o Cacau e o Chocolate, onde participamos com o filme Chocolate da Mata Atlântica



Nenhum comentário: